LOGO-DO-MEMORIA-&-ARTE.png

© 2019 Memória & Arte. Todos os direitos reservados.

LOSE, Alícia Duhá; MAZZONI, Vanilda Salignac de Sousa; SILVA, Jorge Augusto Alves da (Org.).

Um acervo Raro: inventário da
Biblioteca Monsenhor Manoel Aquino Barbosa.

Salvador: [Memória e Arte]; Edições São Bento, 2013. 142 p.


Associações de leigos católicos, dedicados ao culto a um padroeiro, que podia ser um santo ou Nossa Senhora e, até mesmo, Jesus, as irmandades religiosas tinham como fundamento a prática de obras de caridade e, em especial, a ajuda mútua aos irmãos. Seguindo estes mesmos moldes, a Irmandade do Santíssimo Sacramento da Imaculada Conceição (ou Irmandade do Santíssimo Sacramento ou ainda Irmandade de Nossa Senhora da Conceição da Praia) foi fundada em 1665. A Biblioteca Monsenhor Manoel de Aquino Barbosa situa-se no interior da Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia, um espaço multissecular, dirigido pela Irmandade do Santíssimo Sacramento e Nossa Senhora da Conceição da Praia, cujo templo foi tombado em 17 de junho de 1938, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, tornando-se, dessa forma, responsável pela manutenção e preservação do prédio e de todo seu acervo, o que inclui a biblioteca. Boa parte da biblioteca é constituída pela herança do acervo particular de um dos párocos da Igreja, Monsenhor Manoel de Aquino Barbosa, falecido em 1980. Portanto, diferentemente do que se poderia esperar em virtude da idade da instituição, a biblioteca é relativamente recente e pequena, se levarmos em consideração apenas o número de exemplares que contém, mas sua importância não está na quantidade e sim na qualidade dos volumes que abriga, em especial no que se refere ao seu acervo sobre a História da Bahia, com livros de dificílimo acesso no mercado editorial e que trazem informações sobre o princípio da colonização, além de importantes publicações de nomes de grande personalidades da história do estado e do país, como as de Teodoro Sampaio, Manoel Querino, Afrânio Peixoto, Arnold Wildberger, Braz do Amaral, Thales de Azevedo, Pierre Verger, Waldemar Mattos, entre outros. O acervo conta com 2.069 volumes (de temas variados: História Geral, História da Bahia, História da Igreja, Coleção Família Real, Coleção das Irmandades, Coleção Ruy Barbosa, Gramáticas, Livros Intonsos, Livros Autografados, Literatura, Missais, entre outros) e aproximadamente 200 documentos (manuscritos únicos, originais e autógrafos, que descrevem discussões do cotidiano das reuniões da Irmandade). No entanto, a despeito da importância do acervo, após a doação feita pela família do pároco, por quase 30 anos, a biblioteca ficou sem receber cuidados especializados. No ano de 2011, Alícia Duhá Lose e Vanilda Salignac Mazzoni foram convidadas a cuidar do espaço, e, como ocorre em quase todas as instituições que abrigam esse tipo de acervo, os proprietários não possuíam verba destinada para proteger o patrimônio em papel que, como era de se esperar, estava em estado bastante delicado de conservação. Para ampliar, de forma indispensável, o conhecimento do acervo, a primeira das propostas apresentadas pelas pesquisadoras teve o objetivo a realização deste inventário que ora se apresenta. Desta forma, esta obra interessa a variadas áreas, como: engenharia, arquitetura e urbanismo, direito, história, letras, biblioteconomia, teologia, arquivologia, entre outras.